Sexto dia da Novena

« Carreguem o fardo uns dos outros. »
Galatos 6,2

Irmãos, se é verdade que no Cristo nós nos reconfortamos uns aos outros, se nos encorajamos no amor, se estamos em comunhão no Espírito, se temos ternura e piedade, então, para que minha alegria seja completa, tenham as mesmas disposições, o mesmo amor, os mesmos sentimentos : buscai a unidade. Não sejam jamais intrigantes, nem pretenciosos, mas tenham bastante humildade para estimar os outros superiores a vós. Que cada um de vós não se preocupe com ele mesmo ; mas também com os outros.
Filipinos 2, 1-4

Venham a mim, vós todos que penais sob o peso da carga, e eu, vos darei o repouso. Tomai para vós minha obrigação, tornai-vos meus discípulos, pois sou terno e humilde de coração, e vós encontrareis o repouso. Sim, minha obrigação é fácil de carregar e minha carga, leve.
Mateus 11, 25-30

Com o Bem-aventurado Charles de Foucauld, contemplemos o Cristo acolhendo todos os homens. Peçamos a graça da oração para nossos irmãos.

« A medida da qual nos servimos para os outros será aquela com a qual Deus se servirá para nós. » (Mt 7,2)

Então, mais nós usaremos de caridade com o próximo pedindo graças para ele na oração, mais Deus usará de bondade e nos dará suas graças… Não existem palavras que Nosso Senhor não se sirva, nem de meios que ele empregue para nos dizer, e nos dizer de novo, de orar sem cessar pelo nosso próximo : mais nós oraremos pelos outros, mais Deus nos encherá de graças, mais nós lhe seremos agradáveis em consequência, eis o que nos diz Nosso Senhor… A oração pelo próximo, a oração por todos os homens, eis nossa obra cotidiana, como ela foi obra cotidiana de Nosso Senhor, eis uma obra sempre perfeitamente agradável ao Nosso Senhor, sempre infinitamente terna ao seu Coração.

Quanto devemos pedir a glorificação de Deus, nossa santidade e aquela do próximo, pois somos absolutamente certos de obter ! Que responsabilidade nós temos ! Se nós não oramos suficientemente, nós somos responsáveis de todo o bem que poderíamos ter feito pela oração e que nós não fizemos : que terrível responsabilidade !... Mas que bondade da parte de Nosso Senhor, de nos fazer assim, de alguma forma, partilhar seu poder dando um tal valor às nossas orações.


(« O Espírito de Jesus » - p. 35…39)

Pai Nosso …

Oração pessoal em silêncio.

Oração de abandono do Padre de Foucauld